Resultado da pesquisa

  • O objetivo deste trabalho é relatar o parasitismo gastrointestinal em gatos atendidos no Hospital de Clínicas Veterinárias da UFRGS (HCV/UFRGS), no período de 2014 a 2016. Foram analisadas amostras fecais de 339 felinos domiciliados da cidade de Porto Alegre, RS. As amostras foram processadas pelos métodos de Willis-Mollay, Lutz e Faust. Do total, 31,85% (108) apresentaram resultado positivo. Os parasitos de maior prevalência foram Ancylostoma spp. (40,74%), Cystoisospora spp. (21,29%) e Toxocara spp. (12,96%). Conclui-se que a prevalência mais alta ocorreu no ano de 2016, sem diferença para machos e fêmeas. Mesmo em baixa prevalência, parasitos dos gêneros Paragonimus, Spirometra e Giardia demandam atenção devido ao potencial zoonótico, o que torna o papel do médico veterinário de extrema importância participando da difusão e conscientização sobre a relevância destas parasitoses

    Novembro - v. 11, No. 11, p. 1074-1187 (2017)
  • O Brasil é uma das maiores potências mundiais em piscicultura, com uma produção aqüicola e pesqueira alcançando volume superior a um milhão de toneladas em 2004. A produção aqüicola nacional vem crescendo em média 21,1% ao ano, superando estatisticamente outras atividades de importância nacional como a bovinocultura. Porém o consumo per capita é baixo, cerca de 6 kg ao ano devido ao alto custo do produto final e hábitos alimentares que valorizam o consumo da carne bovina. A carne de peixe constitui uma fonte protéica de alto valor biológico, além de ser avaliada nutricionalmente como benéfica à saúde humana por ser fonte importante de aminoácidos essenciais, vitaminas, minerais e ácidos graxos. O peixe pode ser comercializado na forma in natura, refrigerado ou congelado, sendo a primeira a mais freqüente. A inspeção do produto ao ser comercializado deve ser criteriosamente observada, avaliando características organolépticas e presença de parasitos incrustados na carne. Os peixes quando cultivados, assim como os pescados, estão submetidos a fatores que levam ao estresse e, como conseqüência, podem surgir doenças concomitantes, especialmente doenças parasitárias, que constituem risco à saúde pública já que alguns desses parasitas provocam zoonoses. O aumento da incidência das zoonoses parasitárias está associado ao consumo da carne de peixe cru ou insuficientemente cozido, assim como hábitos alimentares que favoreçam a ingestão desse tipo de carne, como o “sushi” e o “sashimi” da cultura oriental. As principais zoonoses parasitárias transmissíveis pelo consumo inadequado de carne de peixe são a anisaquíase, eustrongilíase, a capilaríase, a fagicolose, a clonorquíase e a difilobotríase. Poucos são os relatos dessas parasitoses em humanos no Brasil, provavelmente pela falta de diagnóstico e não pela ausência das doenças no país. A inspeção sanitária de produtos oriundos do pescado ainda é escassa e estudos referentes à importância dos parasitas de peixes no país são reduzidos. Dessa forma, a melhor recomendação preventiva seria a abstinência do consumo da carne de peixe cru ou não cozida adequadamente, porém existem outras medidas profiláticas como o tratamento térmico, cocção, por exemplo, que seria capaz de eliminar a atividade parasitária tanto na forma adulta quanto larval, e o congelamento a -20ºC pelo período de sete dias, ou a -35ºC por período não inferior a quinze horas, também é descrito como eficaz na eliminação desses agentes parasitários. Autoridades sanitárias, piscicultores e médicos veterinários devem buscar maior controle no que diz respeito às enfermidades de peixes de caráter zoonótico, desde a produção até a comercialização do pescado, para diminuir as taxas de morbidade e mortalidade das criações, melhorar a qualidade do pescado destinado aos consumidores, evitando, por medida profilática, a propagação das zoonoses transmissíveis por peixes.

    Ago. 2 - v. 6, No. 25, p. Art. 1411-1416 (2012)
  • Bom Jesus, no Piauí, é uma cidade na qual é visivelmente notável uma grande quantidade de animais errante circulando pelas ruas. A pesquisa objetivou-se caracterizar o perfil de tutores de cães e gatos do município, levando em consideração o comportamento quanto a posse responsável desses animais. A caracterização dos tutores foi feita pela aplicação de questionários com 25 perguntas objetivas, dentre elas perguntas socioeconômicas e sobre cuidados que devem ser tomados com o animal de estimação. A cidade de Bom Jesus demonstrou ser uma cidade em que a população na sua maioria possui curso superior completo ou a concluir e economicamente de classe média. Mas mesmo assim não obteve bons resultados com relação a posse responsável, pois 19,57% dos animais tem acesso livre a rua, 18,92% saem para passear sem guia ou desacompanhados, desses apenas 11,1% recolhem as fezes de seus animais na rua, 38,60% nunca foram levados ao médico veterinário, 64% relataram que o animal já teve infestação por ectoparasitos e desses apenas 9,09 foi tratado de forma correta (animal e ambiente) e na sua minoria 19,3% não faz utilização de antihelmíntico regularmente. Com o presente trabalho foi possível concluir que a maioria dos entrevistados não toma o devido cuidado com seus animais, demonstrando que a cidade de Bom Jesus precisa urgentemente de um programa de conscientização da população sobre guarda responsável de seus animais e dos riscos de zoonoses.

    Ago. - v. 10, No. 08, p. 580-635 (2016)
  • Iniciou-se um estudo sobre a ocorrência de Leishmaniose Visceral Canina em cães, no município de São Vicente Férrer, do estado de Pernambuco. No período de julho de 2003 a julho de 2005, foram coletadas amostras de sangue de 503 cães domésticos, de diferentes localidades, escolhidos aleatoriamente, para exame pelo Teste de Imunofluorescência Indireta. Foram processadas preliminarmente, 503 amostras de soro, das quais 12,3% estavam positivas para Leishmania. Quanto às titulações encontradas nos soros reagentes, 77,4% tiveram títulos de 1:40; 9,6% apresentaram 1:80; 8,0% depararam com 1:160; 3,2% tiveram 1:320 e 1,6% deram 1:640. A partir desses resultados foram selecionados 20, dos cães sorologicamente positivos para realização de aspirado de medula óssea. Destes, 85% apresentaram formas amastigotas de Leishmania sp. Este é o primeiro registro do encontro de cães sorologicamente positivos para Leishmania no município de São Vicente Férrer, estado de Pernambuco, Brasil.

    Ago. 1 - v. 4, No. 25, p. Art. 879-885 (2010)
  • A interação entre homens e animais pode trazer benefícios e danos. Entre os benefícios da convivência com o animal está a melhora da qualidade de vida, por meio da redução do estresse, diminuição das tensões entre membros da família e aumento da compaixão no convívio social. Por outro lado existe a possibilidade de alguns efeitos danosos como, agressões e transmissão de zoonoses aos proprietários, exigindo maior cuidado quando se trata de indivíduos imunocomprometidos. O médico veterinário é o profissional mais importante nessa interação, o qual poderá atuar e influenciar de maneira eficaz para o sucesso da mesma, dependendo de seu conhecimento sobre o assunto e de sua própria vivência como profissional. Este estudo objetivou investigar a percepção de estudantes de medicina veterinária com relação à interação entre homens e animais de estimação e o risco de se adquirir zoonoses por proprietários HIV positivos. A coleta de dados foi realizada por indivíduos treinados, que por meio de um questionário padronizado, entrevistaram 218 estudantes de veterinária, obtendo-se dados demográficos, sociais, interação com animais e riscos de zoonoses. Os dados foram duplamente digitados, medidas de controle de qualidade verificadas e estatisticamente analisados. Os resultados mostraram que 77% dos entrevistados criam animais, sendo o cão o animal preferido (77%) e 95% classificam o convívio entre homens e animais de estimação como de significativa importância. Em situação de atendimento clínico, apenas 33% declaram conversar frequentemente com os proprietários sobre zoonoses e 48,2% disseram sentirem-se confortáveis ao serem abordados sobre zoonoses por um indivíduo HIV positivo. Ainda com relação ao atendimento clínico, 35% dos entrevistados afirmaram nunca perguntarem ao proprietário se há algum indivíduo HIV positivo convivendo com o animal, 32% pergunta constantemente e 29% às vezes. Com relação ao risco de indivíduos HIV positivos adquirir zoonoses convivendo com um animal de estimação, 59% classificaram esse risco como significante e 88% permitiriam que esse indivíduo mantivesse seu animal de estimação. Foi pesquisado, ainda, a classificação de riscos para zoonoses segundo as diferentes espécies de animais. Conclui-se que é necessário maior destaque e aprofundamento de conhecimentos sobre a realidade atual de interações entre homens e animais de estimação e riscos de zoonoses entre indivíduos imunocomprometidos por parte de futuros profissionais intermediadores dessa interação.  

    Maio 3 - v. 4, No. 19, p. Art. 837-842 (2010)
  • Este trabalho objetivou avaliar a percepção de alunos da 6ª série do ensino fundamental quanto ao risco zoonótico em torno da posse de animais de estimação no municipio de Alegre-ES. Para tanto, foi utilizado um questionário epidemiológico em três escolas, uma particular, uma pública municipal e a outra pública estadual. Participaram 90 alunos, dos quais 30 de cada escola. Foi verificado que 70% dos alunos das redes particular e estadual, e 66,7% da municipal possuem pelo menos um animal de estimação. Sobre os cuidados com seus animais, 66,7% dos alunos da escola particular relataram que seus animais estavam vacinados e vermifugados, enquanto que das escolas estadual e municipal foram verificados apenas 33,3% e 15%, respectivamente. Em relação ao conceito de zoonoses, 80% dos alunos da escola estadual e apenas 46,7% dos alunos das escolas municipal e 36,7% da particular demonstraram conhecimento sobre o tema. Dentre as fontes de informação sobre o tema zoonoses, a escola foi citada, por 83,3% dos alunos da rede estadual e 30% da municipal. Para 40% dos alunos da escola particular a mídia (TV, jornais, revistas e internet) foi o principal meio de informação. Com base nos dados observados foi observado que as crianças da rede pública estadual demonstram maior discernimento sobre o conceito de zoonoses do que as crianças da rede pública municipal e privada. Por outro lado, as crianças do ensino privado demonstraram maior conhecimento geral em relação aos pontos que envolvem a posse responsável.

    Nov. 1 - v. 5, No. 40, p. Art. 1258-1263 (2011)
  • A Clamidiose aviária, Psitacose ou Ornitose é uma das principais zoonoses de origem aviária, causada pela Chlamydopyila psittaci, bactéria intracelular obrigatória, gram negativa, que acomete aves mamíferos e répteis. O presente relato refere-se a uma ave doméstica do grupo das Psittaciformes, da espécie calopsita, que foi atendida apresentando quadros respiratório e digestivo típicos de clamidiose. Como protocolo de tratamento foi realizada antibioticoterapia, tendo como escolha as enrofloxacinas e como suporte a inalação.

    Ago. 3 - v. 5, No. 30, p. Art. 1192-1198 (2011)
  • O complexo-teníase cisticercose é caracterizado como zoonoses transmitidas por alimentos, englobando alterações patológicas causadas pelas formas adultas da Taenia solium e da Taenia saginata e suas respectivas formas larvares. Este complexo representa não apenas um problema de saúde pública, como também sérios prejuízos econômicos. Os métodos de profilaxia das doenças envolvidas são muitos simples, se comparados aos de outras doenças parasitárias, porém muitas vezes esquecidos pela população. A inspeção médica veterinária post mortem é fundamental no controle da doença, porém abates clandestinos de bovinos e suínos facilitam a disseminação desta zoonose, principalmente em países com elevados índices de pobreza. Esse artigo visa reunir informações relevantes existentes na literatura sobre esse tema, discutindo aspectos gerais dos agentes etiológicos e hospedeiros envolvidos, bem como as doenças e suas respectivas formas de controle.

    Fev. 2 - v. 4, No. 06, p. Art. 744-751 (2010)
  • O objetivo deste trabalho foi de relatar as principais características dos cães recolhidos pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do Município de Mossoró-RN. Os dados foram coletados de 100 cães através de fichas específicas, contendo sexo, raça, idade, dados clínicos e motivo de recolhimento. Dentre os animais capturados 60 % eram do sexo masculino e 40% do sexo feminino, onde 79% apresentavam-se sem padrão racial definida e 21% com raça definida. A faixa etária de maior acometimento foi entre 1 a 5 anos de idade, representando 77% dos animais avaliados. Dentre os animais recolhidos 73% foram por motivos de doença, onde a Leishmaniose Visceral Americana mereceu destaque com 72,6% dos casos, e 13,7% eram sintomatologicamente suspeito dessa enfermidade. Os outros cães foram recolhidos por serem indesejados pelos proprietários ou errantes e por outras doenças.

    Jan. 2 - v. 4, No. 02, p. Art. 717-722 (2010)
  • A brucelose é uma doença infectocontagiosa, de evolução crônica e de caráter granulomatoso típico, que acomete principalmente o sistema reprodutivo e o osteoarticular de animais domésticos, silvestres e de seres humanos. É uma antropozoonose caracterizada pela infecção das células do sistema mononuclear fagocitário, provocada por uma bactéria pertencente ao gênero Brucella. Com ampla distribuição mundial, tem em nosso país uma alta incidência e prevalência no rebanho bovino, servindo como principal fonte de infecção para os seres humanos. Mesmo sendo uma enfermidade de caráter ocupacional acometendo trabalhadores que estão em contato direto com animais doentes, também possui caráter populacional, pois a ingestão de produtos de origem animal contaminados torna-se importante meio de transmissão desta bactéria. Embora seja caracterizada por uma grave zoonose, esta doença ainda é pouco conhecida por várias pessoas devido às inúmeras subnotificações.

    Mai. 2 - v. 8, No. 10, p. 1136-1282 (2014)
  • Nas comunidades rurais, o cão desempenha papéis essenciais como vigia, companhia e auxiliar de caça. Freqüentemente, a falta de informação sobre o manejo adequado deste animal e a indiferença dos proprietários resulta na disseminação de zoonoses e outros agravos a saúde de ambas as espécies e ao ambiente. Com o objetivo de determinar o perfil da população canina, o perfil sócio-econômico dos proprietários de cães e de avaliar e analisar a aplicação dos princípios de guarda responsável na Vila Juerana, aplicou-se nesta comunidade, em março de 2012, um censo canino, através de um questionário semiestruturado. Os dados demonstraram a relação cão/habitante de 1:3,7, 53% de fêmeas, 79% de animais jovens, 71% de cães semidomiciliados, 71% de cães que acessavam o interior das residências, renda familiar de até 1 salário em 45,1% domicílios. Os resultados demonstraram um manejo inadequado destes animais e a necessidade de aplicação de programas de controle da população canina e de programas de prevenção e controle de doenças, nesta comunidade, por parte do Serviço Público de Saúde.

    Jan. 1 - v. 7, No. 01, p. 0001-0108 (2013)

Idioma

Conteúdo da revista

Edicões