Resultado da pesquisa

  • O objetivo deste trabalho é relatar o parasitismo gastrointestinal em gatos atendidos no Hospital de Clínicas Veterinárias da UFRGS (HCV/UFRGS), no período de 2014 a 2016. Foram analisadas amostras fecais de 339 felinos domiciliados da cidade de Porto Alegre, RS. As amostras foram processadas pelos métodos de Willis-Mollay, Lutz e Faust. Do total, 31,85% (108) apresentaram resultado positivo. Os parasitos de maior prevalência foram Ancylostoma spp. (40,74%), Cystoisospora spp. (21,29%) e Toxocara spp. (12,96%). Conclui-se que a prevalência mais alta ocorreu no ano de 2016, sem diferença para machos e fêmeas. Mesmo em baixa prevalência, parasitos dos gêneros Paragonimus, Spirometra e Giardia demandam atenção devido ao potencial zoonótico, o que torna o papel do médico veterinário de extrema importância participando da difusão e conscientização sobre a relevância destas parasitoses

    Novembro - v. 11, No. 11, p. 1074-1187 (2017)
  • Objetivou-se verificar a existência de resistência anti-helmíntica a ivermectina e albendazol em nematoides gastrintestinais de ovinos em propriedades dos municípios de Janaúba e Nova Porteirinha. O experimento foi conduzido em 4 propriedades e foram utilizados 88 animais. Nas fazendas (A e B), testou-se o anti-helmíntico ivermectina e nas fazendas (C e D), ivermectina e albendazol. A redução na contagem de ovos por grama de fezes (RCOF) foi determinada utilizando fórmula específica, indicando resistência com índice menor a 95%. Houve resistência dos nematoides gastrintestinais ao albendazol nas duas propriedades em que foi testado e a ivermectina em três das quatro propriedades. Na fazenda C, a ivermectina apresentou-se eficácia de 97%. O nematoide de maior prevalência foi o Haemonchus contortus.

  • Os helmintos gastrointestinais constituem-se em agentes etiológicos de significativa importância para a diminuição da produtividade na pecuária bovina. Entre os fatores que interferem no desenvolvimento da bovinocultura, as helmintoses gastrintestinais e pulmonares ocupam grande destaque por ocasionar perdas econômicas relacionadas à baixa produtividade do rebanho, retardamento do desenvolvimento dos animais, aumento na taxa de mortalidade de bovinos jovens e gastos excessivos com manejo e medicamentos. O parasitismo gastrintestinal em bovinos está freqüentemente associado à alta densidade populacional animal e a sistemas intensivos de manejo, principalmente relacionado à bovinocultura leiteira. Entretanto, nos ruminantes, o estado nutricional e particularmente a disponibilidade de proteínas e minerais é um fator importante na otimização da produtividade animal, interferindo na patogenia e nos mecanismos de resposta imune dos hospedeiros às infecções por nematódeos gastrointestinais. O efeito deste parasitismo na produção animal pode ser reduzido mediante alterações no manejo das pastagens e dos animais com a aplicação de anti-helmínticos. Para que tais procedimentos possam ser realizados, é necessário conhecer a biologia dos parasitos da região a ser estudada. Uma etapa da fase do ciclo destes parasitas ocorre no meio ambiente e vários fatores estão diretamente envolvidos no desenvolvimento e na sobrevivência das larvas nas pastagens e na manutenção das infecções nos animais, como: fatores climáticos, genéticos e características das pastagens. Objetivou-se com esta revisão realizar um levantamento epidemiológico das principais espécies de helmintos gastrintestinais que acometem bovinos em clima tropical, avaliando a prevalência das helmintoses na população de animais de acordo com a faixa etária e a interação destes parasitas nas perdas econômicas geradas na pecuária bovina.

    Ago. 2 - v. 6, No. 25, p. Art. 1411-1416 (2012)
  • A ovinocultura é uma atividade de criação antiga, fazendo parte da civilização por séculos proporcionando lã, pele, leite e carne. Trata-se de um segmento da pecuária que está ocupando um ótimo espaço no mercado brasileiro e que tem a seu favor dentre outros fatores, a possibilidade de criação em diferentes tipos de manejo, tanto intensivo como extensivo. O objetivo do trabalho foi avaliar o grau de infestação por endoparasitos gastrintestinais em ovinos submetidos a dois sistemas de criação, intensiva e extensiva. As avaliações ocorreram em duas propriedades com raças Santa Inês e Dorper, sendo uma com manejo de criação intensiva contendo 110 animais e outra de criação extensiva contando com 137 ovinos. Foi utilizada a técnica de McMaster para a determinação de ovos por grama de fezes (OPG). Realizaram-se duas coletas em cada uma das propriedades com intervalo de 30 dias entre elas. Observou-se na criação intensiva que de 29 amostras de animais 14 encontravam-se positivas, sendo 8 da raça Santa Inês e 6 da Dorper, com um nível de infestação considerado leve na primeira avaliação. Já na segunda coleta os valores de OPG diminuíram consideravelmente apresentando-se apenas 2 animais Santa Inês e 1 da Dorper positivos. Enquanto que, na propriedade de criação extensiva, na primeira avaliação, dos 25 animais amostrados 10 foram positivos. Na segunda avaliação, houve uma redução para 3 positivos apenas. A criação extensiva apresentou um número médio de OPG maior que a intensiva embora tenha apresentado um menor número de animais positivos.

    Mar. 1 - v. 6, No. 08, p. Art. 1307-1312 (2012)
  • Com objetivo de fornecer bases histopatológicas para apoio diagnóstico ao Serviço de Inspeção na doença hepática dos bovinos, foram estudados, histopatologicamente, 148 amostras de fígados bovinos provenientes da região Norte Fluminense- RJ. Estes apresentavam lesões nodulares de consistência firme, microscopicamente caracterizadas por necrose central, envolta por rico infiltrado inflamatório misto, cuja periferia tinha constituição fibrocalcária. A mineralização era frequentemente linear, acompanhava a disposição fibrosa da cápsula. Células gigantes eram comumente notadas fagocitando fragmentos calcários.Em dois casos foram observados restos de parasitas, sendo somente um deles identificado, como cestóide, pela presença de corpúsculos calcários e ventosas, contudo, todos os casos apresentavam aspectos típicos de migração de larvas de helmintos.

    Jun. 2 - v. 4, No. 22, p. Art. 858-864 (2010)
  • A hemoncose é uma doença parasitaria importante para pecuária, sendo os ovinos e caprinos as espécies que apresentam um maior acometimento. Esta enfermidade é provocada pelo nematódeo de gênero Haemonchus sp., parasito de abomaso, medindo entre 1 a 2,5 cm. Trata-se da mais patogênica das helmintoses, provocando diminuição do ganho de peso, graves anemias, edemas de mucosa gástrica diminuindo a absorção de nutrientes, edemas externos denominados “edema de barbela”, sendo sua sintomatologia característica de hemoncose, além de provocar óbito em graves parasitoses. O objetivo deste trabalho foi descrever a fauna parasitária abomasal e a relação sexual do parasitismo por Haemonchus contortus. Foram coletadas amostras abomasais de caprinos após o abate, sendo recuperado um total de 12460 helmintos. Os animais abatidos foram observados no pré abate e pós abate. No pré abate foram observados pelos arrepiados e sem brilho além de anemias grave. Após o abate foi observado o parasitismo abomasal por H. contortus e T. axei, onde a carga parasitária do H. contortus representou mais de 98% do parasitismo, sendo a relação entre macho e fêmea equivalente, além do parasitismo observou-se lesões de mucosa provocado pela fixação do nematóide ao órgão e carcaça pálida.

    Ago. 4 - v. 5, No. 31, p. Art. 1198-1204 (2011)
  • Objetivou-se estabelecer a prevalência e identificação de ovos de parasitos gastrintestinais em fezes de 54 leitões na fase de terminação, além de relacionar taxas de infecção parasitária com a densidade de alojamento dos animais, e o sexo dos mesmos. Os animais foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, constando de 3 tratamentos e 3 repetições, sendo cada baia considerada uma unidade experimental, e compostas por animais de ambos os sexos em quantidades iguais. Os tratamentos foram denominados, tratamentos 1, 2 e 3 e representavam respectivamente baias com densidades de 0,16; 0,32; e 0,96 suínos/m2. Os exames de  ovos por grama de fezes, revelaram a presença de ovos em 62,9% das amostras. Pelo exame de sedimentação espontânea em água foram encontradas prevalências de 57,4% para ovos da ordem Strongylida, 1,85% para ovos de Ascaris suum, 98,1% para cistos de Balantidium coli e 3,7% para cistos de Entamoeba spp. Na análise estatística, incluindo o efeito de tratamento, sexo e a interação dos mesmos sobre a quantidade de ovos encontrados, nenhum efeito foi significativo. A frequência de parasitos em leitões em fase de terminação é alta, e não influenciada pelo sexo e densidade dos animais nas instalações.

    Fev. 2 - v. 5, No. 05, p. Art. 1019-1026 (2011)
  • Os peixes são elementos fundamentais e insubstituíveis da dieta humana. No Brasil, a região Norte é a principal produtora de pescado, com destaque para o Estado do Pará que é o maior produtor brasileiro na pesca continental e tem na piscicultura a sua atividade aquícola mais importante, com uma diversidade de produtores desde o cultivo de subsistência à produção voltada para o comércio exterior. Apesar de sua importância para a saúde e economia local, o pescado comercializado no sudeste paraense ainda é pouco estudado quanto a sua fauna parasitológica de importância higiênico-sanitária. Neste contexto, o presente trabalho teve como o objetivo avaliar a diversidade da fauna parasitária de interesse em saúde pública de quatro das principais espécies pesqueiras do Sudeste do Pará: tambaqui, Colossoma macropomum; tucunaré, Cichla spp.; dourada, Brachyplatystoma rousseauxii; e pescada branca, Cynoscion leiarchus. Durante os meses de janeiro a dezembro de 2009, foram analisados 40 exemplares de cada espécie, adquiridos em feiras-livres do município de Parauapebas – PA/Brasil, totalizando 160 espécimes. Os peixes tiveram sua serosa abdominal e musculatura inspecionados quanto a presença de parasitos. Foram avaliadas a prevalência (P%), intensidade de infecção (I), intensidade média de infecção (IM) e abundância média (AM) dos parasitos encontrados. Nos 40 espécimes de tambaquis, Colossoma macropomum, analisados não foi registrada a presença de parasitismo. Dois gêneros de alto potencial zoonótico foram identificados em 11 exemplares de tucunaré, Cichla spp. Sete espécimes encontravam-se parasitados por Contracaecum spp. (P% 17,5; IM 1,7; AM 0,275) e cinco por Clinostomum complanatum (P% 12,5; IM 2,5; AM 0,92). Dois dos 11 exemplares encontravam-se parasitados por ambos os gêneros. Dos 40 espécimes de dourada, Brachyplatystoma rousseauxii, analisados, seis encontravam-se parasitados por Anisakis spp. (P% = 15; IM = 12; AM = 1,8), um por Poecilancistrium caryophyllum (P% = 2,5; I = 1; A = 0,02) e um por Pterobothrium heteracanthum (P% = 2,5; I = 1; A = 0,02). Foram identificadas duas diferentes espécies de parasitos em 15 dos 40 espécimes de pescada branca, Cynoscion leiarchus, analisados. Nematóides do gênero Anisakis spp. foram observados parasitando 15 exemplares (P% = 37,5%), com I variando entre três e 42 parasitos por peixe; IM de 18,06; e AM de 6,77. Três exemplares apresentaram parasitismo múltiplo, por Anisakis spp. e Poecilancistrium caryophyllum (P% = 7,5%), com intensidade de infecção variando entre um e dois parasitos por peixe; intensidade média de infecção de 1,3; e abundância média de 0,1. A alta prevalência de parasitos com potencial zoonótico e aspecto repugnante em peixes frescos comercializados nas feiras nos municípios sudeste do Pará representa um grave risco à saúde humana e à economia local. Campanhas de educação sanitária e a capacitação dos fiscais sanitários municipais podem minimizar esse risco. Maiores estudos devem ser realizados com o pescado comercializado no sudeste do Pará.

    Jan. 1 - v. 5, No. 01, p. Art. 992-998 (2011)
  • É relevante estudar a resistência anti-helmíntica na caprinocultura, já que a produção e a produtividade deste segmento é prejudicada devido ainfecção por endoparasitas. Desta forma, objetivou-se avaliar a ação anti-helmíntica da ivermectina 1% sobre nematódeos gastrintestinais de caprinos naturalmente infectados, oriundos do Setor deovinocaprinocultura da Universidade Federal Rural do Semi-Árido em Mossoró, RN. Foram utilizados 20 caprinos SRD, divididos igualmente em grupo controle e grupo tratado, sendo neste último administrado, ivermectina 1% no primeiro dia de experimento. As coletas de fezes foram feitasantes da administração do fármaco e após dez dias do experimento. As amostras foram submetidas a exames coproparasitológicos no Laboratório de Parasitologia Animal da UFERSA, onde a análise da eficiência da droga foi feita pelo teste de redução na contagem de ovos nas fezes e a diferenciação das larvas infectantes pela coprocultura, sendo os dados analisados estatisticamente pelo programa RESO 2.0. A eficiência da ivermectina foi de 80%, com intervalo de confiança e limite superior de 92%. Sendo os helmintos mais resistentes à ação da ivermectina, o gênero Haemonchus, com redução de 77% da carga parasitária.

    Jan. 2 - v. 8, No. 02, p. 0084-0229 (2014)

Idioma

Conteúdo da revista

Edicões