Resultado da pesquisa

  • Os macacos-prego da espécie Sapajus libidinosus são conhecidos como os macacos mais robustos e inteligentes do Novo Mundo, e dentre as espécies neotropicais, é a que apresenta maior distribuição geográfica. Devido a isso e também pelo fácil manuseio e a facilidade de reprodução em cativeiro, o gênero vem sendo utilizado em diversas pesquisas, dada a sua proximidade filogenética com a espécie humana, servindo de modelo biológico em experimentos aplicados a essa espécie, com ampla variedade de pesquisas biomédicas. É uma espécie considerada quase ameaçada no Brasil segundo critérios de avaliação do ICMBio (2012-2014) e o estudo do comportamento animal surge como um meio de pesquisa científica que tem proporcionado importantes contribuições além do estudo do comportamento humano, neurociências, meio ambiente e bem-estar animal, também com a preservação de espécies. Considerando a relevância que a pesquisa do comportamento e biologia animal vem tomando dentro da comunidade científica, esse estudo tem por objetivo uma revisão de literatura acerca da espécie Sapajus libidinosus enfatizando, dentro do tema em questão, sua taxonomia, distribuição geográfica e população, características gerais e adaptações, vida social, alimentação e reprodução

    Janeiro - v. 12, No. 01, p. 139 (2018)
  • Esta revisão tem por objetivo abordar de forma sucinta os aspectos relacionados ao bem-estar durante o período de manejo pré-abate dos ovinos com ênfase na qualidade da carne. O manejo pré-abate corresponde à etapa final da criação dos animais, fase que antecede o abate. O manejo pré-abate inclui uma série de atividades, como: tempo de jejum, embarque, transporte, desembarque, alojamento nas baias do frigorífico, período de descanso, atordoamento e abate que necessitam ser realizados com bem-estar animal. Animais de produção que são manejados na ausência do bem-estar, podem ter a qualidade da carne afetada. Conclui-se que a ovinocultura no Brasil é carente de informações dos benefícios de um manejo com bem-estar. São necessários vários estudos e conscientização na cadeia produtiva de ovinos, relacionados com o comportamento e bem-estar animal.

    Junho - v. 11, No. 06, p. 538-645 (2017)
  • No contexto da ciência do bem-estar animal, a criação de matrizes suínas é um tema especialmente crítico, devido ao fato da grande maioria destes animais ser mantida em isolamento. Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais pontos críticos envolvendo a criação de matrizes suínas gestantes, destacando a importância de aspectos relacionados ao ambiente social e físico proporcionado a esta categoria animal. É indiscutível que o isolamento em gaiolas impacta negativamente em pré-requisitos fundamentais do bem-estar animal, no entanto, por outro lado o agrupamento possui a desvantagem de ocasionar agressividade nestes animais. Informações de pesquisa mostram que os aspectos bioclimatológicos, comportamentais e físicos do ambiente são importantes na definição do bem-estar animal de matrizes suínas gestantes. Além disso, é importante que sejam idealizadas alternativas de criação que combinem alojamento em grupo e técnicas que reduzam a agressividade no alojamento coletivo, como por exemplo o enriquecimento ambiental, com a utilização de elementos como palha ou outros tipos de cama.

    Ago. 1 - v. 6, No. 24, p. Art. 1405-1410 (2012)
  • Conhecer e garantir o bem-estar das aves no sistema de criação é importante, pois afeta diretamente a produção, o que pode significar a viabilidade econômica no empreendimento agropecuário. Assim, a construção de modelos de estimativa do bem-estar que auxilie no suporte à decisão na gestão de aviários, que utilize parâmetros inerentes às aves, em tempo real, torna-se cada vez mais necessário para o sucesso e a sustentabilidade da avicultura nacional. Desta forma, este estudo visa dar uma breve descrição de algumas técnicas de avaliação não-invasivas aplicadas na avicultura, destacando os principais métodos para predizer os índices de produtividade, respostas fisiológicas e bem-estar animal.

    Nov. 2 - v. 4, No. 38, p. Art. 962-967 (2010)
  • A crescente urbanização tem aumentado a proximidade das pessoas com os cães. Uma interação inadequada entre eles pode ser a causa de vários distúrbios de comportamento, como a agressão, tanto por parte do homem, quanto do animal. Deste modo, propôs-se a realização de uma pesquisa para avaliar o manejo e a interação entre os cães e seus proprietários, determinando assim, a relação e o convívio entre os mesmos. Foram entrevistados 249 proprietários de cães no Hospital Veterinário da UFU, no período de agosto de 2008 à março de 2009. Após a coleta, os dados foram digitados para um banco de dados, criado por meio do software EpiInfo 6.04, para análise. Os resultados mostraram que dos 249 proprietários entrevistados, 53,4% possuem cães fêmeas, o que pode revelar certa preferência por esse sexo, pois são mais afetivas e mais obedientes que os cães machos. 41,8% dos cães são criados fora de casa. 16,1% dos cães saem sozinhos para a rua, 30,5% estão com a vacinação incompleta ou nunca foram vacinados, tendo-se um perigo exposto à sociedade, já que são eles os reservatórios e transmissores de diversas zoonoses. 15,7% dos cães são desobedientes, o que agrava mais o risco, já que fogem freqüentemente. 71,1% dos proprietários passeiam com seu cão, e destes, 19,6% não utilizam coleira, o que é proibido para algumas raças. 14,7% dos que passeiam dizem passear raramente, o que sugere uma relação distante com seu animal. 77,5% dos proprietários disseram que várias pessoas da família cuidam do cão e, 47,8% dos 91,6% brincam com seus animais, e o fazem mais de uma vez ao dia. Deste modo, conclui-se que existe uma relação distante entre os proprietários e os animais estudados e, que os animais atendidos no Hospital Veterinário não têm um manejo adequado, o que deve ser corrigido com Educação Sanitária. 

    Fev. 3 - v. 4, No. 07, p. Art. 752-758 (2010)
  • Os zoológicos foram criados com o propósito de promover o bem estar e a conservação das espécies, entretanto, animais cativos podem apresentar comportamentos discrepantes de seu padrão natural. Esse trabalho foi desenvolvido com o intuito de descrever o comportamento de saguis de tufo branco Callithrix jacchus, do zoológico de Uberlândia, MG. Na tentativa de simular o habitat natural, o recinto dos animais é equipado com objetos para o enriquecimento ambiental. O método amostral utilizado foi o ad libitum, durante o período de dois dias, com dez horas diárias e anotações comportamentais em intervalos de cinco minutos. As atividades mais realizadas durante as observações de Callithrix jacchus foram a alimentação, descanso e brincar. Muitos aspectos do padrão de atividade do grupo foram semelhantes àqueles que habitam outras formações vegetais, inclusive no habitat natural do animal. Isso sugere que esses primatas possuem certa capacidade de se adaptarem aos mais variados tipos de habitat, inclusive o cativeiro.

    Fev. 1 - v. 5, No. 04, p. Art. 1012-1018 (2011)
  • Os ovinos são animais de hábito gregário e despendem momentos com a ingestão de alimentos intercalados com um ou mais períodos de ruminação ou de ócio. Os picos de pastejo e ruminação geralmente ocorrem nos horários mais frescos do dia, se mantendo em ócio nos horários de temperaturas mais elevadas. Estes animais modificam um ou mais componentes do seu comportamento ingestivo buscando superar condições limitantes ao seu consumo e conseguir as quantidades necessárias de nutrientes para à mantença e a produção. Desta maneira, esta revisão tem como objetivo debater estes itens que interferem no comportamento ingestivo de ovinos à pasto. O estudo do comportamento ingestivo coopera na solução de problemas relacionados com a diminuição do consumo em períodos críticos para produção de leite ou carne, através das práticas de manejo, dimensionamento das instalações e fornecimento de dieta com quantidade e qualidade. 

    Mai. 2 - v. 8, No. 10, p. 1136-1282 (2014)

Idioma

Conteúdo da revista

Edicões