v. 12 No. 01 p. 139 (2018) >>

Síntese proteica em suínos: como fêmeas, machos não castrados e castrados respondem a este processo?

  • Síntese proteica em suínos: como fêmeas, machos não castrados e castrados respondem a este processo?

    Alessandra Nardina Trícia Rigo Monteiro, Laura Marcela Diaz Huepa, Leandro Dalcin Castilha, Paulo Cesar Pozza

    Resumo

    A síntese proteica muscular em suínos é essencial para promover o ganho de carne marga. Entretanto, é um processo complexo que envolve inúmeras enzimas, proteínas ribossomais e pode ser influenciado por diversos fatores, de ordem ambiental, nutricional e hormonal. Neste sentido, os hormônios sexuais podem exercer ação anabólica na síntese proteica, levando a diferentes taxas de deposição muscular em machos castrados, machos inteiros e fêmeas. Com o intuito de aproveitar o efeito anabólico da testosterona, a imunocastração vem sendo cada vez mais difundida na suinocultura, levando machos imunocastrados a apresentarem desempenho e características de carcaça semelhantes a machos inteiros. De forma geral, o sexo parece desempenhar um importante papel na síntese proteica. Isso confere diferentes exigências de aminoácidos, em machos inteiros, fêmeas e machos castrados, devido às diferenças na deposição de proteína na carcaça.

    Palavras-chave

    fêmeas , imunocastração , machos , síntese muscular

    Texto completo:

Janeiro

Idioma

Conteúdo da revista