v. 11 No. 11 p. 1074-1187 (2017) >>

Produtividade de forragem, composição química e morfogênese de Megathyrsus maximus cv. Mombaça sob períodos de descanso

  • Produtividade de forragem, composição química e morfogênese de Megathyrsus maximus cv. Mombaça sob períodos de descanso

    Newton de Lucena Costa, Liana Jank, João Avelar Magalhães, Vicente Gianluppi, Fabíola Helena dos Santos Fogaça, Amaury Burlamaqui Bendahan, Francisco José de Seixas Santos

    Resumo

    O efeito do período de descanso (14, 21, 28, 35, 42 e 49 dias) sobre a produção e composição química da forragem e características morfogênicas e estruturais de Megathyrsus maximus cv. Mombaça foi avaliado em condições de campo. O aumento do período de descanso resultou em maiores rendimentos de matéria seca verde (MSV) e vigor de rebrota, contudo, implicou em decréscimos significativos dos teores de nitrogênio, fósforo, cálcio, magnésio e potássio. As taxas de aparecimento e expansão de folhas são inversamente proporcionais aos períodos de descanso, ocorrendo o inverso quanto ao comprimento médio de folhas (CMF), índice de área foliar (IAF) e taxa de senescência foliar. Os maiores rendimentos de MSV, vigor de rebrota, número de folhas vivas perfilho-1, CMF e IAF foram obtidos aos 36,4; 39,2; 40,8; 39,6 e 41,3 dias de rebrota. O período de descanso mais adequado para pastagens de M. maximus cv. Mombaça, visando a conciliar produção, vigor de rebrota e qualidade da forragem, situa-se entre 35 e 42 dias.

    Palavras-chave

    composição química , folhas , matéria seca , perfilhamento , senescência

    Texto completo:

Novembro

Idioma

Conteúdo da revista