v. 11 No. 8 p. 744-839 (2017) >>

Zooantropologia: O novo conceito dentro do velho em bem-estar animal

  • Zooantropologia: O novo conceito dentro do velho em bem-estar animal

    Matheus Hernandes Leira, Jaqueline Roberta Cardoso Santos, Lucas Silva Reghim, Lívia da Silva Ciacci, Bianca Batista Barreto Batista Barreto, Luciane Tavares Cunha, Daniela Ribeiro Cazelato Amorim, Bruna Colares Alegro Belato, Marlon Ribeiro Bueno, Debora Alves Silva, Nátalia Pereira Dias

    Resumo

    A relação homem e animal sofreu várias modificações ao longo de décadas, a princípio o homem era tido como o centro do universo, uma visão antropocêntrica, que fazia com que os animais fossem colocados em posição de inferioridade e subjugados pelos seres humanos. Partindo-se deste princípio, os animais eram tratados como seres sem sentimentos e indolores, tanto que eram submetidos a procedimentos de cunho científico sem qualquer tipo de zelo. Estes conceitos começaram a se alterar através de Darwin, que acreditava que o homem era a fruto da evolução animal e não uma criação divina. A partir de então, a conotação de homem como centro de todas as coisas começou a perder força. Posteriormente, surge então a zooantropologia que é um ramo da ciência que estuda as relações entre humanos e outras espécies com o objetivo de fornecer respostas a questões da interação homem e animal, visando obter contribuições à partir da análise da diversidade animal. Esta ciência admite um verdadeiro diálogo entre humanos e não-humanos e acredita que os seres humanos têm construído muito de seus predicados através da referência ao animal não-humano por intermédio de um processo de reciprocidade, em que a relação é em primeiro lugar "o que une os interlocutores", não sendo um fim em si.

    Palavras-chave

    Bem-estar Animal , Teoria da zooantropologia , Senciência

    Texto completo:

Agosto

Idioma

Conteúdo da revista