v. 11 No. 04 p. 313-423 (2017) >>

Eficácia anti-helmíntica comparativa entre diferentes princípios ativos em ovinos jovens

  • Eficácia anti-helmíntica comparativa entre diferentes princípios ativos em ovinos jovens

    Daniel Gonçalves da Silva, Jaqueline Agnes Pilatti, Bruna Martins de Menezes, Larissa Picada Brum, Celestino Goulart Netto, Anelise Afonso Martins

    Resumo

    O objetivo do presente estudo foi verificar a eficácia de diferentes anti-helmínticos em ovinos jovens e a variação entre machos e fêmeas. O trabalho foi realizado entre os meses de março e abril de 2015 em propriedade particular no município de Dom Pedrito – RS. As avaliações foram realizadas em 180 cordeiros (90 machos e 90 fêmeas) cruza Corriedale x Ile de France, com idade média de 10±2 meses, peso vivo (PV) de 26,00±2,0kg mantidos em pastejo intermitente com lotação fixa em 20 hectares (ha) de campo nativo. Os animais foram separados em três grupos os quais receberam princípios ativos diferentes (Closantel 10% via oral; Disofenol 30% via oral e Nitroxinil 34% via injetável). Cada grupo composto por 60 indivíduos, sendo 30 machos e 30 fêmeas. As fezes foram coletadas antes da aplicação do princípio ativo (dia zero) e após 10 dias para a quantificação dos ovos por gramas de fezes (OPG). Também, foi realizado o cultivo de larvas (coprocultura). O teste de eficácia foi verificado de acordo com a seguinte a fórmula: Eficácia (E%) = [[OPG controle dia0 – OPG tratamento dia10] / OPG dia0] x 100. Verificou-se que todas as médias de OPG estavam acima do limite máximo para dosificação (OPG > 500). A eficácia anti-helmíntica no rebanho para closantel, disofenol e nitroxinil foi de 64%, -7%, 60%, respectivamente, sendo que eficácia inferior a 90% é suficiente para pressupor a resistência dos helmintos a essas drogas. Quando observada a eficácia entre os sexos, verificou-se que todos os medicamentos foram considerados ineficazes. No entanto, vale destacar que a eficácia referente ao princípio ativo nitroxinil foi de 72% nas cordeiras e 33% nos cordeiros. A população de nematoides identificados na coprocultura do rebanho, referente ao dia 0 foram Haemonchus spp. (45%), seguido por Trichostrongylus spp. (53%) e, com menor ocorrência, Bonostomum spp. (2%). Quando realizada a identificação após tratamentos (dia 10), observou-se a presença de Haemonchus spp. (43%), Trichostrongylus spp. (56%) e Bonostomum spp. (1%). Testes de eficácia e coprocultura devem ser realizados periodicamente no rebanho com o intuito de orientar a escolha do anti-helmíntico mais adequado frente ao controle da verminose. Comprovou-se que na propriedade há resistência anti-helmíntica aos princípios ativos utilizados. Embora, fosse verificada maior eficácia nas fêmeas tratadas com Nitroxinil em comparação aos machos do mesmo grupo, ambos foram considerados ineficazes no combate à parasitose.

    Palavras-chave

    cordeiros , fêmeas , machos , parasitismo gastrintestinal

    Texto completo:

Abril

Idioma

Conteúdo da revista